Portal Gospel Play - O canal de conteúdos do cristão online!

Na China, a perseguição e repressão a cristãos atingem maior nível da história

A China proíbe educação religiosa, fecha igrejas, tortura e mata cristãos em perseguição alarmante

Em Pequim, lojas vendem souvenires com fotos do presidente chinês Xi Jinping e o ex-presidente Mao Tse-Tung: muito em comum Foto: THOMAS PETER / REUTERS

Uma reunião entre os principais negociadores comerciais dos EUA e autoridades da China no final de semana passado, onde foram tratados de temas defendidos pelos presidentes Xi Jinping e Donald Trump, foi o gancho para que a violenta perseguição enfrentada pelos cristãos na China fosse destacada com grave momento por entidades internacionais.

O Save the Persecuted Christians (STPC) (“Salvem os Cristãos Perseguidos”), que defende 300 milhões de cristãos que enfrentam perseguições pesadas em todo o mundo, quer que o foco permaneça em como a China trata aqueles que acreditam em Jesus Cristo.

Semana passada, o Guiame informou que uma influente igreja doméstica em Pequim foi fechada depois que 20 policiais chineses invadiram a escola bíblica em dois locais diferentes, lacraram as portas da igreja que tiveram “todas as fechaduras trocadas para impedir que os membros retornassem ao prédio”. Entre 20 e 30 cristãos foram detidos por várias horas pela polícia após o ataque em 23 de março.

Mesmo antes da repressão, o membro do Conselho Consultivo do STPC Bob Fu, da China Aid, já havia avisado o Congresso que a liberdade religiosa na China atingiu o “pior nível que não foi visto desde o início da Revolução Cultural pelo presidente Mao [Zedong] na década de 1960.”

Além disso, Fu informou que o primeiro mandamento está sendo removido da lista de 10 em Bíblias impressas na China, e que há um plano de cinco anos para tornar o cristianismo mais compatível com o socialismo. Esse plano, diz ele, apresenta uma “reescrita” da Bíblia para “refletir a ética chinesa do confucionismo e do socialismo”.

Durante uma conferência da Fundação Heritage, em fevereiro, sobre liberdade religiosa na China, Dede Laugesen, diretor executivo da Save the Persecuted Christians, explicou que “a Constituição da China afirma tecnicamente oferecer liberdade religiosa, mas toda expressão religiosa e culto são rigorosamente regulamentadas e monitoradas pelo Estado”.

“É cada vez mais difícil para os cristãos se reunirem e adorarem livremente na China, e eles vivem com medo de retaliação, perseguição ou coisa pior - simplesmente por ter fé em Jesus Cristo”, alertou o diretor da STPC.

A China ocupa o 27º lugar na lista de vigilância do mundo de 2019, para níveis “muito altos” de perseguição, segundo o Open Doors USA, que monitora a perseguição cristã em todo o mundo. O ponto é um salto significativo do ranking Nº 43 em 2018.

“A gestão de assuntos religiosos na China está no Partido Comunista agora, não apenas com o governo”, relata o Open Doors. “E os cristãos estão intensamente e cada vez mais sentindo essa mudança e medo da perseguição cristã. Desde que o Partido Comunista assumiu, a implementação dos regulamentos sobre religião, o tratamento de grupos religiosos, especialmente cristãos, se tornou muito mais severo em todo o país.”

A persistente perseguição de cristãos na China é ilustrada através da exposição itinerante Save the Persecuted Christians, intitulada “O Povo da Cruz”, que exibe fotos e fatos comoventes sobre vários países onde a perseguição cristã é comum. Especificamente, a bandeira da China detalha como os cristãos são rastreados, bem como as formas pelas quais os comunistas são cada vez mais hostis às pessoas de fé.

“O Partido Comunista reprime seus cidadãos, aprisiona advogados e pastores de direitos humanos, destrói igrejas e se envolve em abortos forçados em larga escala e na extração de órgãos”, diz a faixa.

A China proíbe a educação religiosa, coleta DNA e dados biométricos de crentes religiosos e tortura e mata prisioneiros de consciência, incluindo muitos cristãos.

Fonte

Portal Gospel Play, com informações de GUIAME, via CHARISMA NEWS
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Na China, a perseguição e repressão a cristãos atingem maior nível da história

Portal Gospel Play, com informações de GUIAME, via CHARISMA NEWS

Uma reunião entre os principais negociadores comerciais dos EUA e autoridades da China no final de semana passado, onde foram tratados de temas defendidos pelos presidentes Xi Jinping e Donald Trump, foi o gancho para que a violenta perseguição enfrentada pelos cristãos na China fosse destacada com grave momento por entidades internacionais.

O Save the Persecuted Christians (STPC) (“Salvem os Cristãos Perseguidos”), que defende 300 milhões de cristãos que enfrentam perseguições pesadas em todo o mundo, quer que o foco permaneça em como a China trata aqueles que acreditam em Jesus Cristo.

Semana passada, o Guiame informou que uma influente igreja doméstica em Pequim foi fechada depois que 20 policiais chineses invadiram a escola bíblica em dois locais diferentes, lacraram as portas da igreja que tiveram “todas as fechaduras trocadas para impedir que os membros retornassem ao prédio”. Entre 20 e 30 cristãos foram detidos por várias horas pela polícia após o ataque em 23 de março.

Mesmo antes da repressão, o membro do Conselho Consultivo do STPC Bob Fu, da China Aid, já havia avisado o Congresso que a liberdade religiosa na China atingiu o “pior nível que não foi visto desde o início da Revolução Cultural pelo presidente Mao [Zedong] na década de 1960.”

Além disso, Fu informou que o primeiro mandamento está sendo removido da lista de 10 em Bíblias impressas na China, e que há um plano de cinco anos para tornar o cristianismo mais compatível com o socialismo. Esse plano, diz ele, apresenta uma “reescrita” da Bíblia para “refletir a ética chinesa do confucionismo e do socialismo”.

Durante uma conferência da Fundação Heritage, em fevereiro, sobre liberdade religiosa na China, Dede Laugesen, diretor executivo da Save the Persecuted Christians, explicou que “a Constituição da China afirma tecnicamente oferecer liberdade religiosa, mas toda expressão religiosa e culto são rigorosamente regulamentadas e monitoradas pelo Estado”.

“É cada vez mais difícil para os cristãos se reunirem e adorarem livremente na China, e eles vivem com medo de retaliação, perseguição ou coisa pior - simplesmente por ter fé em Jesus Cristo”, alertou o diretor da STPC.

A China ocupa o 27º lugar na lista de vigilância do mundo de 2019, para níveis “muito altos” de perseguição, segundo o Open Doors USA, que monitora a perseguição cristã em todo o mundo. O ponto é um salto significativo do ranking Nº 43 em 2018.

“A gestão de assuntos religiosos na China está no Partido Comunista agora, não apenas com o governo”, relata o Open Doors. “E os cristãos estão intensamente e cada vez mais sentindo essa mudança e medo da perseguição cristã. Desde que o Partido Comunista assumiu, a implementação dos regulamentos sobre religião, o tratamento de grupos religiosos, especialmente cristãos, se tornou muito mais severo em todo o país.”

A persistente perseguição de cristãos na China é ilustrada através da exposição itinerante Save the Persecuted Christians, intitulada “O Povo da Cruz”, que exibe fotos e fatos comoventes sobre vários países onde a perseguição cristã é comum. Especificamente, a bandeira da China detalha como os cristãos são rastreados, bem como as formas pelas quais os comunistas são cada vez mais hostis às pessoas de fé.

“O Partido Comunista reprime seus cidadãos, aprisiona advogados e pastores de direitos humanos, destrói igrejas e se envolve em abortos forçados em larga escala e na extração de órgãos”, diz a faixa.

A China proíbe a educação religiosa, coleta DNA e dados biométricos de crentes religiosos e tortura e mata prisioneiros de consciência, incluindo muitos cristãos.

Fale conosco!

Encaminhe sua mensagem, assim que possível estaremos te respondendo ;)