Portal Gospelplay - O canal de notícias do cristão online!

MENU
Logo
Sábado, 31 de outubro de 2020
Publicidade
Publicidade

Missões

Em seu discurso, Papa Francisco omite críticas sobre a perseguição religiosa na China

Os comentários constaram no discurso escrito, mas foram omitidos por Francisco quando ele discursou aos fiéis, no Vaticano

Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Em discurso recente, o Papa Francisco omitiu comentários expressando preocupação com a lei de segurança nacional da China, de acordo com o jornalista italiano Marco Tosatti, despertando o alerta para muitos cristãos.

Em um post em seu site, Tosatti relatou que a Santa Sé entregou um boletim com observações preparadas pelo pontífice que incluíam seu discurso preparado.

As observações preparadas incluíram comentários sobre a lei de segurança nacional aprovada recentemente pelo legislador chinês, que amplia o controle direto de Pequim sobre Hong Kong e que muitos acreditam corroer os direitos humanos e liberdades dos moradores da ilha. Os pastores que apoiam o movimento pró-democracia também temiam que, sob as novas leis, eles pudessem ser extraditados e julgados na China continental.

“Eu segui com atenção especial e não sem preocupação o desenvolvimento da complexa situação em Hong Kong, e desejo mostrar acima de tudo minha sincera proximidade com todos os habitantes desse território”, afirmaram os comentários originais do papa antes de serem alterados, de acordo com Tosatti.

Acrescentou: “Espero, portanto, que todas as pessoas envolvidas saibam enfrentar os vários problemas com um espírito de sabedoria perspicaz e diálogo autêntico. Isso requer coragem, humildade, não violência e respeito pela dignidade e direitos de todos”.

A declaração preparada também incluiu um apelo para que “liberdade social e, especialmente a liberdade religiosa” sejam “expressas em plena e verdadeira liberdade, como de fato vários documentos internacionais o fornecem”.

No entanto, de acordo com Tosatti, quando Francisco fez suas observações da janela da Praça de São Pedro, os jornalistas foram informados de que os comentários referentes à China e Hong Kong foram omitidos do discurso. Tosatti perguntou: “Por que?”, mas nenhuma resposta oficial foi dada.

“O que não se sabe é o tipo de pressão que Pequim colocou sobre o papa para que ele não falasse na televisão mundial sobre o drama da ex-colônia britânica, mesmo nos tons mais delicados e pacíficos possíveis”, escreveu Tosatti.

Em 2018, o Vaticano e Pequim aprovaram um acordo provisório no qual o Vaticano reconheceria como bispos legítimos, os clérigos nomeados pelo regime comunista.

Chris Altieri, chefe do Escritório do ‘The Catholic Herald’ em Roma, escreveu em uma análise que a recente omissão do papa fez muitos voltarem a questionar o acordo entre o Vaticano e a China.

“Os críticos do acordo entre Vaticano e China dizem que isso coloca o Vaticano em uma posição passiva em uma negociação desvantajosa. Uma visão mais cautelosa do negócio permitiria que os objetivos do Vaticano não fossem levar a uma era de ouro da liberdade religiosa no continente, mas evitar a perseguição total de nível diocleciano ”, escreveu Altieri.

“A omissão inexplicável torna mais difícil defender o acordo e também dificulta a defesa do Vaticano contra as acusações de que se curvaram a Pequim”, acrescentou.

No mês passado, o presidente comunista chinês Xi Jinping assinou a nova lei de segurança nacional para Hong Kong, que visa reprimir a atividade subversiva na região semi-autônoma.

Muitos grupos de direitos humanos, incluindo a Anistia Internacional, se opõem à lei, dizendo que ela prejudica o status independente antes conferido a Hong Kong e restringe as liberdades civis.

Joshua Rosenzweig, chefe da equipe da Anistia na China, divulgou uma declaração antes da aprovação da lei, dizendo que as medidas eram de grande preocupação.

“Hong Kong está à beira de um futuro incerto e inquietante, suas liberdades ameaçadas pela legislação de segurança nacional que poderia anular as leis que atualmente protegem os habitantes da cidade dos piores excessos da repressão patrocinada pelo estado”, afirmou Rosenzweig.

“O governo chinês deve abandonar os planos de aprovar uma lei de segurança nacional para Hong Kong, a menos que possa fornecer garantias estanques de que a legislação está em conformidade com os direitos humanos em todos os aspectos.

Veja mais!

Seja edificado(a) através das mensagens pastorais

Fonte/Créditos: Portal Gospelplay, com informações de Folha Gospel via The Christian Post

Créditos (Imagem de capa): Papa Francisco

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Encaminhe sua mensagem, assim que possível estaremos te respondendo ;)